Agência POP recria os ícones das ferramentas do Photoshop em 3D

Olha o trabalho que a agência POP fez, eles transformaram as ferramentas do Adobe Photoshop em obras de arte em 3D. Ficou muito legal! Confere aí.

Agasalhos ganham novas utilidades em campanha do Exército da Salvação

“Agasalhos também salvam vidas” é o conceito da campanha criada pela WMcCann para o Exército de Salvação. As peças para mídia impressa, digital e OOH mostram um extintor de incêndio e uma boia, feitos com o mesmo material de agasalhos. Afinal, assim como esses objetos, a solidariedade em doar na época mais fria do ano também pode salvar vidas.

O Exército de Salvação promove, durante o período de abril a julho, campanhas para arrecadação de roupas e agasalhos, que ajudarão diretamente na manutenção e ampliação do trabalho social do Exército de Salvação no Brasil, através do programa de Bazares Beneficentes.

Para doar ao Exército de Salvação, basta ligar para 4003-2299 e fornecer o endereço de retirada. Para saber mais detalhes, acesse o site aqui.

A Dove hackeou bancos de imagens e deu novos resultados a busca de “mulher bonita”

Grande parte das campanhas ainda criam peças usando estereótipos padrões de beleza, embora exista muita defesa da representatividade feminina. Para confrontar com esse assunto, a Dove, que tem se especializado em aprofundar o tema desde o icônico case Retratos da Real Beleza, criado pela Ogilvy Brasil, decidiu começar pelos bancos de imagem.

O foco é mudar os resultados que aparecem quando buscamos por “mulher bonita” e outras nomes usados para referência ao gênero. A primeira etapa da iniciativa, que foi desenvolvida pela agência dinamarquesa Mindshare, contratou fotógrafos profissionais para clicar mulheres reais em seu cotidiano.

Em um primeiro momento as imagens foram para bancos de imagem como a Shutterstock. Na sequência, peças de out of home foram espalhadas pelas ruas, convidando as agências a utilizarem tais fotos em suas campanhas. De acordo com informações do Adweek, 1.729 imagens foram baixadas. Além disso, 42 anunciantes escolheram tais imagems para ilustrar suas campanhas de marketing na Dinamarca.

Confira o video case:

“Elas”, criado para auxiliar mulheres em situação de risco

Pensado pela prefeitura de João Pessoa, Paraíba, através da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres de João Pessoa (SEPPM), o aplicativo “Elas” foi criado para auxiliar as mulheres que se encontram em situações de risco. Disponível, no início, apenas para Android, ele é gratuito e depois de instalado, não necessita de acesso à internet. Isso porque o sistema tem um botão que envia SMS aos números registrados pela usuária, caso esteja em situação perigosa. Os números cadastrados recebem uma mensagem de texto informando a localização de quem enviou. Podem ser salvos até 5 números.

Conforme o prefeito Luciano Cartaxo ponderou: ”Combater a violência contra as mulheres é muito importante. Criamos um mecanismo simples e de fácil acesso e estamos ofertamos às mulheres a condição de terem um instrumento para fazer um alerta de qualquer problema que coloque em risco suas vidas. E o que é mais importante, ele está aberto nacionalmente, ou seja, qualquer mulher de qualquer parte do País que queira, poderá utilizá-lo. Ele é um instrumento muito importante para que as mulheres saiam desta situação de vítimas de violência, que criem coragem para denunciar e contar com o apoio das pessoas de sua confiança para isso”.

“É uma forma de mulheres que estejam em risco pedirem ajuda a parentes e amigos. O mais importante é que as pessoas que ela cadastrar na ferramenta sejam de confiança e tenham conhecimento da situação pela qual ela passa. Assim fica mais rápido prestar socorro e evitar que o pior ocorra”, afirma Adriana Urquiza, secretária de políticas públicas para mulheres da capital paraibana.

Como usar o aplicativo

No primeiro acesso ao aplicativo, as usuárias encontram uma tela de cadastro onde é necessário digitar seu nome, data de nascimento, informar o sexo e aceitar os termos de uso.

Em seguida, o sistema pede para que sejam cadastrados até três nomes e telefones de amigos de confiança, para quem as mensagens serão enviadas, mas com o cadastro de pelo menos uma pessoa, já é possível utilizar o botão de envio de pedido de ajuda no sistema.

Em um menu ao lado direito da tela, o aplicativo também contém um item que mostra os contatos do Centro de Referência da Mulher Ednalva Bezerra, serviço que disponibiliza atendimento especializado às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. No item, é possível telefonar gratuitamente para o centro ou enviar um email.

Outra opção disponível no menu lateral do aplicativo é a lista de telefones úteis, como o da SEPPM, do Centro de Referência, do Instituto Cândida Vargas, do Centro de Cidadania LGBT e de números de urgência das polícias Militar e Civil, além de outros números. Também é possível telefonar para cada um destes locais apenas tocando no ícone de telefone ao lado de cada número.

 

Se você não vai ao McDonald’s, o McDonald’s vai até você

Sabe aquele ditado “Se Maomé não vai até a montanha, a montanha vai até Maomé”?! É isso que o McDonald’s fez, para comemorar o Dia Drive, na última quinta (25), a marca fez uma ação em parceria com a DPZ&T para inverter a ordem natural dos lanches e fazer com que o serviço chegasse até o cliente.
Para anunciar a data comemorativa da rede, um grande food-truck no formato restaurante rodou as ruas de São Paulo surpreendendo e distribuindo casquinhas de sorvete para os pedestres e motoristas que tinham a sorte de cruzar o seu caminho.

Confira abaixo o videocase da inusitada ação:

Ilustrações de designer francês mostram algumas marcas comuns em produtos diferentes

Mike Stefanini é ilustrador designer francês que tem o projeto Atomike Studio, ele criou uma série de ilustrações que questionam nossos hábitos de consumo. Ele desenha produtos totalmente diferentes do que são na realidade, por exemplo: Uma Coca-Cola com logotipo da Nike; um tubo de creme dental decorado com o símbolo da Adidas, e etc.

Dentre as marcas usadas estão Pepsi, Heinz, Starbucks e McDonald’s. Uma maneira original de transmitir o aspecto terapêutico da Netflix ou os viciantes restaurantes fast-food.

As ações publicitárias que desarmaram a corrupção

No começo de maio, a FCB Brasil criou, para o Estadão, uma plataforma digital para trazer aos leitores uma noção de qanto custa a corrupção no Brasil. “De Real para Realidade” calcula quanto os valores desviados custam e onde poderiam ter sido aplicados em bens e serviços públicos. Em dias como temos vividos ultimamente, vale relembrar outras iniciativas que de alguma maneira mostram argumentos fortes e impactantes contra esse mal que freia o desenvolvimento das cidades, estados e países, além de aumentar a desigualdade social no mundo.
Confira:

Será que o brasileiro elegeria tantos corruptos se tivesse informações facilitadas sobre o histórico de podres de cada uma destas figuras? Pensando nisso, a Grey Brasil criou para o site Reclame Aqui um plug in especial. O dispositivo para Google Chrome destaca em roxo os nomes de políticos que estão respondendo a processos na justiça, sejam eles indiciados, investigados, réus ou condenados.

A Corrupção precisa ser exposta. Simple assim é a peça criada pela Cheil ucraniana para a Transparência Internacional.

O que a corrupção tem a ver com o problema da educação? Para não deixar dúvidas sobre a resposta, a Escala criou a campanha abaixo para a fundação Banco de Livros. Clique aqui

Você já parou para pensar sobre o destino dos recursos desviados das obras através da corrupção? A peça abaixo, criada pela Ogilvy & Mather do Japão, evidencia bem essa questão.

Quantas vezes você já ouviu a expressão “sujar as mãos com a corrupção”? A agência Gogelmogel, da Lituânia, criou um “sabonete de dinheiro” para ajudar a debater a questão.

O impactante filme abaixo compõe a campanha “Não aceito corrupção” e foi criado pela Flag para o Movimento Ministério Público Democrático (MPD).

Para quem acha que rir é sempre o melhor remédio, a campanha abaixo, criada pelo Ragazzo, ironiza o período de “Lava-Jato” e suas delações premiadas.

 

Deixe seu comentário