Ainda vale a pena estudar publicidade?

“Se você tem vontade de ver coisas incríveis acontecendo, histórias que jamais achou que poderia ver, essa é sua profissão” A frase, com uma boa dose de otimismo é de Ricardo Ribeiro, diretor sênior de arte da agência Rapp Brasil. Por mais que o curso não esteja nos topos de procuras quando faz o vestibular, publicidade se desassociou apenas a comerciais de TV e passou a ser estudo sobre o comportamento humano.

Neste contexto, Ribeiro justifica seu entusiasmo com a profissão não pelo glamour de antes, mas pelas dezenas de oportunidades que ela traz. “A trilha pode ser turbulenta e o caminho longo, mas a descoberta é de que existe um mundo a ser conquistado. Publicidade continua sendo uma área em que você vai enxergar o nascimento de campanhas e projetos e conhecer pessoas com muito conhecimento”, diz Ribeiro.

O gerente de planejamento da Mutato, Nicolas Henrique observa o mercado mais aberto à novas possibilidades “Isso é muito interessante e promissor para o recém-formado, porque possibilita testar e encontrar novas áreas e possibilidades que antes não existiam” Segundo Henriques, entre essas áreas de oportunidade estão produtoras de conteúdo; agências de mídia de performance e programática.

Segundo Nicolas, as empresas estão entendendo cada vez mais as estratégias de conteúdo. “Trabalhando de um novo jeito dentro do próprio cliente; institutos de pesquisa que entregam além do comportamento; escritórios de design thinking e consultorias excelentes para entregas específicas; em resumo, uma série de atividades e funções novas começam a surgir no cenário para quem está começando”, observa.

Ainda de acordo com Henriques, existem alguns velhos conceitos sobre publicidade que já não funcionam como antigamente. “Devemos parar de glamourizar o excesso de trabalho, aquela questão de viver a vida na agência e achar que isso se traduz em grandes entregas, assim como também acreditar que tudo deve ser criado pensando em levar prêmios. O mais interessante hoje é pensar que devemos sempre buscar entender o outro, o diferente, sairmos de nossa pequena, mas resistente, bolha publicitária e nos fiarmos muito em números, dados, pesquisas para alimentar nossa criatividade”, diz ele.

Gustavo Bonfiglioli e Ariel Nobre, sócios da Pajubá Diversidade em Rede, alertam que a pauta da diversidade é outro tema importante para a publicidade e vem ganhando cada vez mais visibilidade, logo deve estar no radar de quem tem interesse pela profissão. “Mas enquanto muito planner e cliente insiste em enxergar a diversidade como uma oportunidade conjuntural, as vozes de mulheres, pessoas negras, LGBTQIAs e outras minorias revelam que a questão é muito mais profunda e estrutural: trata-se de legitimar a existência de pessoas que sempre estiveram à margem do mercado”, afirmam Bonfiglioli e Nobre.

5 dicas para combater o bloqueio criativo

Tudo certo para começar o job ou desenvolver aquele texto e de repente, cadê a criatividade?! Não se preocupe, você não está sozinho nessa. Separamos algumas boas dicas para te ajudar a desbloquear a criatividade.

  1. Respire

Calma, não é o fim do mundo, respira fundo e e relaxa. Muitas vezes, forçar o trabalho em meio a um bloquei criativo não resulta em nada e pode não sair o seu melhor.

Levante da cadeira, vá tomar um ar. Fique longe do computador por pelo menos 5 minutos. Talvez seja o tempo para criatividade voltar.

  1. Inspire-se.

Para abrir os horizontes é sempre bom dar uma olhadinha em outros trabalhos, entre nas redes sociais de designers, redatores e veja o que eles têm feito. Não precisamos nem falar que não é pra copiar outras artes, né?! Mas talvez um detalhe ou outro pode te ajudar a “desempacar”

  1. Faça outra coisa.

Não se desespere, se não está conseguindo avançar, tente adiantar outro job. Mas se o bloqueio criativo for tão grande a ponto de lhe travar para todos seus projetos, tente se ocupar em outra atividade, por pelo menos meia hora. Uma boa caminhada, ler alguma coisa de assuntos variados ou até uma deliciosa pipoca de micro-ondas pode te ajudar a despertar a criatividade.

  1. Mude o local de trabalho.

Calma, não peça demissão. Se for possível, troque de sala ou home-office. Caso trabalhe com um notebook, tente trabalhar em outro lugar da empresa ou até em casa. Já pensou em trabalhar em algum lugar público com acesso à internet, como uma praça de alimentação ou cafeteria?!

 

  1. Use suas habilidades de design em outras coisas.

Qual sua especialidade? Web design? Brinque um pouco com design gráfico. Ilustração? Experimente design de interiores. Muitas vezes ficamos atrelados apenas a uma função, o que pode levar à fadiga. Tentar coisas novas estimula a criatividade. Uma pequena escapada na rotina nos tira do “piloto-automático” e pode ser uma bela arma contra o bloqueio criativo.

Usa algum método diferente dos listados aqui? Compartilhe sua experiência com a gente!

 

“Elas”, criado para auxiliar mulheres em situação de risco

Pensado pela prefeitura de João Pessoa, Paraíba, através da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres de João Pessoa (SEPPM), o aplicativo “Elas” foi criado para auxiliar as mulheres que se encontram em situações de risco. Disponível, no início, apenas para Android, ele é gratuito e depois de instalado, não necessita de acesso à internet. Isso porque o sistema tem um botão que envia SMS aos números registrados pela usuária, caso esteja em situação perigosa. Os números cadastrados recebem uma mensagem de texto informando a localização de quem enviou. Podem ser salvos até 5 números.

Conforme o prefeito Luciano Cartaxo ponderou: ”Combater a violência contra as mulheres é muito importante. Criamos um mecanismo simples e de fácil acesso e estamos ofertamos às mulheres a condição de terem um instrumento para fazer um alerta de qualquer problema que coloque em risco suas vidas. E o que é mais importante, ele está aberto nacionalmente, ou seja, qualquer mulher de qualquer parte do País que queira, poderá utilizá-lo. Ele é um instrumento muito importante para que as mulheres saiam desta situação de vítimas de violência, que criem coragem para denunciar e contar com o apoio das pessoas de sua confiança para isso”.

“É uma forma de mulheres que estejam em risco pedirem ajuda a parentes e amigos. O mais importante é que as pessoas que ela cadastrar na ferramenta sejam de confiança e tenham conhecimento da situação pela qual ela passa. Assim fica mais rápido prestar socorro e evitar que o pior ocorra”, afirma Adriana Urquiza, secretária de políticas públicas para mulheres da capital paraibana.

Como usar o aplicativo

No primeiro acesso ao aplicativo, as usuárias encontram uma tela de cadastro onde é necessário digitar seu nome, data de nascimento, informar o sexo e aceitar os termos de uso.

Em seguida, o sistema pede para que sejam cadastrados até três nomes e telefones de amigos de confiança, para quem as mensagens serão enviadas, mas com o cadastro de pelo menos uma pessoa, já é possível utilizar o botão de envio de pedido de ajuda no sistema.

Em um menu ao lado direito da tela, o aplicativo também contém um item que mostra os contatos do Centro de Referência da Mulher Ednalva Bezerra, serviço que disponibiliza atendimento especializado às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. No item, é possível telefonar gratuitamente para o centro ou enviar um email.

Outra opção disponível no menu lateral do aplicativo é a lista de telefones úteis, como o da SEPPM, do Centro de Referência, do Instituto Cândida Vargas, do Centro de Cidadania LGBT e de números de urgência das polícias Militar e Civil, além de outros números. Também é possível telefonar para cada um destes locais apenas tocando no ícone de telefone ao lado de cada número.

 

Transforme seus rabiscos em desenhos com AutoDraw, a nova ferramenta do Google.

Se você gosta de desenhar, mas seus rabiscos não passam de casinhas e bonecos de palitos, seus problemas acabaram!
Como o Google está sempre inovando, desta vez não foi diferente, foi lançada a nova ferramenta criada pelo Google Creative Labs que corrige automaticamente e diretamente do navegador, os traços em desenhos, no mínimo apresentáveis.
Os desenhos podem ser criados pelo computador ou celular, incluindo até que a inteligência artificial aprenda com você e te ajude a melhorar no futuro. Após concluir sua ilustração, você pode fazer o download em formato de arquivo PNG. De graça.
O AutoDraw foi desenvolvido a partir do Quick Draw, outro aplicativo do Google que tenta adivinhar o significados dos seus rabiscos. Uma vez que você encontrar uma sugestão correspondente ao seu desenho, basta clicar nela que seu rabisco será substituído por um desenho bem mais profissional. Legal, não é? Dá até para colorir os desenhos, e personalizar do seu jeito.

Assista ao vídeo explicando como funciona a ferramenta.

Modelos escondem mensagens secretas em seus corpos na SPFW

Um dos pilares do Grupo Estadão desde o ano passado é abordar, de forma diferenciada e surpreendente, uma questão que deve ser tratada com extrema importância: a igualdade de gênero.

Este assunto tão polêmico foi o que motivou a ação realizada durante o desfile do estilista Amir Slama no São Paulo Fashion Week.

As modelos estavam com mensagens em seus corpos que proporcionavam uma reflexão sobre o assédio sexual. O que impressionou a todos foi a tinta escolhida, pois ela só aparece nas fotos feitas com flash.

As frases diziam coisas como: “Decote não é convite”, “Minha saia não é permissão”, “Me visto como eu quiser” e “Perna de fora não é provocação”.

De acordo com o  Diretor de Marketing do Grupo, Marcelo Moraes, eles encontraram uma nova forma de chamar a atenção para uma questão que deveria ser óbvia: a liberdade das mulheres de se vestirem como quiserem, sem que isso seja interpretado de forma diferente pelos homens.

Além disso, uma frase que super se encaixa a respeito do desfile é a seguinte: “A tinta não é visível a olho nu, assim como o preconceito e a violência contra mulher, que nem sempre são evidentes”, diz Joanna Monteiro, Chief Creative Officer da FCB.

1049813509-2125537438-

Veja como ficariam os logos das marcas se fossem escritas em Comic Sans

Todos os designers tem as suas fontes favoritas que se distinguem através da preferência de cada um, mas quando o assunto é a fonte mais criticada e odiada nesse ramo, logo vem a cabeça a Comic Sans. O recurso, que virou sinônimo de design ruim, já virou tema de diversas brincadeiras pela internet e gerou movimentos que defendem o direito de ele ser utilizado livremente por qualquer pessoa.

Devido a essa situação o designer russo Oleg Tarasov usou a fonte para tentar reimaginar a aparência de alguns logos pertencentes a marcas famosas, entre eles a Coca-Cola, Microsoft, eBay, Nike, Adidas e muitos outros.

O engraçado resultado é nítido, mas não dá pra negar que provavelmente seria difícil alguém se interessar por essas empresas caso elas usassem a Comic Sans para promover os seus produtos.

E você o que pensa das modificações? Dê uma olhada nos resultados abaixo:

4a28ce41325635.5606f8575ab0e5417f241325665.5606fa18924c701113d41325639.5606f7ba8e257edf34b41325659.5606f754ab7e7f1a50241325657.5606f7bbaef16bc9c6c41325677.5606fa192e8a3f506ee41325687.5606f7555b525fc811e41325685.5606f72eb3f7f207a1d41325663.5606f6786d4ea61de3c41325675.5606fa19299bf71098e41325653.5606f72e8fcbe9c29d541325667.5606f7bc029358b386b41325695.5606fa1a081b5f75b5641325661.5606fa180f6a6

 

 

 

Axe distribui 850 ingressos para o Lollapalooza

Para entrar no clima e aquecer o público para os dois dias de Lollapalooza, a Axe está promovendo uma contagem regressiva com as “Axe Missions”, ação de caça aos ingressos na qual os consumidores podem ganhar convites ao cumprirem missões em lugares estratégicos de São Paulo.

Patrocinadora do evento, pelo terceiro ano consecutivo, a marca preparou uma série de ativações no festival, como o retorno do “Se Joga”, plataforma de saltos que foi um sucesso em 2016, e o “Find Your Magic Patrol”, com uma equipe que percorrerá o evento promovendo um minuto de mágica no look dos frequentadores do festival. As iniciativas transmitem o conceito “Transpirar nunca. Perder seu estilo jamais”, que comunicam a linha de antitranspirantes da marca.

As missões acontecerão entre os dias 20 e 24 deste mês, com o kick-off da ação por meio de posts do time de influenciadores da marca, composto por Chay Suede, Daniel Rocha, Victor Collor, Caio Braz, Negueba, Loja Kings e Barbearia Corleone. Eles avisarão os internautas, por meio de suas redes sociais, quando as dicas das missões estarão nas páginas do Facebook e Twitter de Axe.

Além de seguir as dicas, os consumidores deverão levar ao local da ação um comprovante fiscal da compra de cinco unidades do produto (da versão antitranspirantes – lata branca). Como premiação, além do convite unitário, os vencedores recebem um vale-compras no valor de R$ 100 para ser utilizado exclusivamente no festival. Ao longo dos cinco dias, a marca distribuirá cerca de 850 ingressos.

Lounge

No espaço da marca no Lolla Lounge, a ativação é o “3 segundos de mágica”. Um estúdio onde as pessoas poderão viver três segundos de fama – com trilha especial, os três segundos se transformam em um mini videoclipe de verdade. Os autores das melhores performances vão estampar a comunicação da marca nas redes sociais, tendo o clipe exibido na lata gigante.

As ativações da marca para o festival foram desenvolvidas pela agência Hands. As redes sociais da marca são assinadas pela CuboCC e quem desenvolve o relacionamento e coordenação dos influenciadores é a Tastemakers.

FONTE: ADNEWS